Fé sozinho de forma consistente e persistente

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter

Numa conversa, alguns dias depois com uma pessoa de piedade, ele me disse que a vida espiritual era uma vida de graça, que começa com o medo servil, que é aumentado pela esperança da vida eterna, e que é consumado pelo amor puro; que cada um desses estados teve seus diferentes estágios, pelos quais um chega finalmente àquela consumação abençoada.

Eu não segui todos esses métodos. Pelo contrário, por não saber que instintos, descobri que me desencorajavam. 

Esta foi a razão pela qual, na minha entrada na religião, tomei uma resolução para me entregar a DEUS, como a melhor satisfação que eu poderia fazer pelos meus pecados; e, por amor a Ele, renunciar a tudo além disso.

Nos primeiros anos, geralmente me empreguei durante o tempo reservado para a devoção, com os pensamentos de morte, julgamento, inferno, céu e meus pecados. 

Assim, continuei alguns anos aplicando cuidadosamente minha mente pelo resto do dia, e até mesmo no meio dos meus negócios, à presença de DEUS, a quem sempre considerava como a mim, muitas vezes como em mim.

Por fim, cheguei insensivelmente para fazer a mesma coisa durante o meu tempo de oração, o que causou em mim grande prazer e consolação. 

Essa prática produziu em mim uma estima tão alta por DEUS, que a fé sozinha foi capaz de me satisfazer nesse ponto. 

Suponho que ele queira dizer que todas as noções distintas que ele pudesse formar de DEUS eram insatisfatórias, porque ele as considerava indignas de DEUS e, portanto, sua mente não deveria ser satisfeita, mas pelas visões de fé, que apreende DEUS como infinito e incompreensível.  Como Ele é em si mesmo, e não como ele pode ser concebido por idéias humanas.]

Esse foi o meu começo; e, no entanto, devo dizer-lhe que nos primeiros dez anos sofri muito: a apreensão de não ter sido devotado a DEUS, como desejava ser, os meus pecados passados ​​sempre presentes em minha mente e os grandes favores não merecidos que DEUS fez.

Eu, era o assunto e fonte dos meus sofrimentos. Durante esse tempo caí com freqüência e ressuscitei de novo. 

Pareceu-me que as criaturas, a razão e o próprio Deus estavam contra mim; 

E fé só para mim. 

Às vezes eu ficava perturbado com pensamentos, que acreditar que recebera tais favores era um efeito da minha presunção, que fingia estar ao mesmo tempo em que os outros chegavam com dificuldade; outras vezes, era uma ilusão voluntária e não havia salvação para mim.

Quando não pensava em outra coisa senão terminar meus dias com essas dificuldades (o que não diminuía em nada a confiança que eu tinha em Deus e que servia apenas para aumentar minha fé), me vi mudado de uma só vez; e minha alma, que até aquele momento estava com problemas, sentiu uma profunda paz interior, como se estivesse em seu centro e lugar de descanso.

Desde aquela época ando diante de DEUS simplesmente, com fé, com humildade e amor; e me dedico diligentemente a não fazer nada e não penso em nada que possa desagradá-lo. Espero que, quando tiver feito o que puder, Ele faça comigo o que Ele quiser.

Quanto ao que passa em mim no presente, não posso expressá-lo. 

Não tenho nenhuma dor ou dificuldade sobre o meu estado, porque não tenho outra vontade senão a DE DEUS, a qual me esforçarei por realizar em todas as coisas, e à qual me sinto tão resignado, que eu não pegaria uma palha do chão contra a Sua ordem, ou de qualquer outro motivo, mas puramente de amor a ele.

Eu abandonei todas as formas de devoção e preparei orações, mas aquelas a que o meu estado me obriga. 

E faço questão de perseverar somente em Sua santa presença, na qual me mantenho com uma simples atenção e uma consideração geral a DEUS, que posso chamar de uma presença real de DEUS; ou, para falar melhor, uma conversação habitual, silenciosa e secreta da alma com DEUS, que muitas vezes provoca em mim alegrias e arrebatamentos interiormente, e às vezes também exteriormente, tão grande que sou forçado a usar meios para moderá-los e prevenir sua aparência para os outros.

Em resumo, tenho certeza, sem sombra de dúvida, de que minha alma esteve com DEUS acima desses trinta anos. 

Passei por muitas coisas, para não ser entediante para você, mas acho que é apropriado informá-lo de que maneira me considero diante de DEUS, a quem vejo como meu rei.

Eu me considero o mais miserável dos homens, cheio de feridas e corrupção, e que cometeu todo o tipo de crimes contra o seu rei; tocado com um arrependimento sensível, confesso a Ele toda a minha maldade, peço-Lhe o perdão, abandono-me em Suas mãos, para que Ele possa fazer o que quiser comigo. 

Este rei, cheio de misericórdia e bondade, muito longe de me castigar, abraça-me com amor, faz-me comer à sua mesa, serve-me com as próprias mãos, dá-me a chave dos seus tesouros; Ele conversa e se deleita comigo incessantemente, de mil e mil maneiras, e me trata em todos os aspectos como Seu favorito. É assim que eu me considero de tempos em tempos em Sua santa presença.

Meu método mais comum é essa simples atenção e uma consideração apaixonada tão geral por DEUS; a quem eu me encontro frequentemente preso com maior doçura e deleite do que uma criança no seio da mãe: de modo que se eu ousar usar a expressão, eu devo escolher chamar esse estado de o seio de DEUS, pela doçura inexprimível que gosto e experimentar lá. 

Se às vezes meus pensamentos se afastam disso por necessidade ou enfermidade, sou lembrado por movimentos interiores, tão encantadores e deliciosos que tenho vergonha de mencioná-los.

Desejo que sua reverência reflita antes sobre minha grande miséria, da qual você está plenamente informado, do que sobre os grandes favores que DEUS me faz, todos indignos e ingratos como sou.

Quanto às minhas horas de oração, elas são apenas uma continuação do mesmo exercício. Às vezes me considero ali, como uma pedra diante de um escultor, do qual ele faz uma estátua: apresentando-me assim diante de DEUS, desejo que Ele faça Sua imagem perfeita em minha alma e me transforme inteiramente como Ele mesmo.

Em outras ocasiões, quando me dedico à oração, sinto todo o meu espírito e toda a minha alma se elevar sem qualquer cuidado ou esforço meu; e continua como se estivesse suspenso e firmemente fixado em Deus, como em seu centro e lugar de descanso.

Sei que alguns acusam esse estado de inatividade, ilusão e amor-próprio: confesso que é uma inatividade sagrada e seria um amor-próprio feliz, se a alma naquele estado fosse capaz disso; porque, de fato, enquanto ela estiver nesse repouso, ela não pode ser perturbada por atos como os que costumava se acostumar, e que então eram seu apoio, mas que agora prefeririam impedi-lo do que ajudá-la.

No entanto, não posso suportar que isso deva ser chamado de ilusão; porque a alma que assim goza de Deus não deseja nada além dele. 

Se isso é ilusão em mim, pertence a DEUS remediá-lo. Deixe que Ele faça o que quiser comigo: desejo somente a Ele e ser inteiramente dedicado a Ele.

Você vai, no entanto, me obrigar a enviar-me sua opinião, à qual eu sempre pago uma grande deferência, pois tenho uma estima singular pela sua reverência e sou sua em nosso Senhor.

Amém!

Deixe um comentário