Palavra de Deus: qual o primeiro motivo que nos obriga a praticar a virtude e servir a Deus?

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter

Duas coisas, leitor cristão, estimulam particularmente a vontade do homem para o bem. Um princípio de justiça é um, o outro, o lucro que podemos obter daí. 

Todos os homens sábios, portanto, concordam que a justiça e o lucro são os dois mais poderosos incentivos para levar nossas vontades a qualquer empreendimento. 

Agora, embora os homens busquem mais freqüentemente o lucro do que a justiça, a justiça é em si mesma mais poderosa; pois, como ensina Aristóteles, nenhuma vantagem mundana pode igualar-se à excelência da virtude, nem qualquer perda tão grande que um homem sábio não a sofra em vez de ceder ao vício. 

Sendo Deus essencialmente bondade e beleza, não há nada mais agradável a Ele do que a virtude, nada que Ele mais fervorosamente requeira.

Mas como estes são inumeráveis, trataremos apenas dos seis principais motivos que reivindicam para Deus tudo o que o homem é ou tudo o que o homem pode fazer. 

O primeiro; o maior e mais inexplicável é a própria essência de Deus, abraçando Sua infinita majestade, bondade, misericórdia, justiça, sabedoria, onipotência, excelência, beleza, fidelidade, imutabilidade, doçura, verdade, bem-aventurança e todas as riquezas e perfeições inesgotáveis. que estão contidos no Ser Divino.

Tudo isso é tão grande que se o mundo inteiro, de acordo com Santo Agostinho, estivesse cheio de livros, se o mar fosse transformado em tinta, e toda criatura empregada na escrita, os livros ficassem cheios, o mar fosse drenado e os escritores estariam exaustos antes que qualquer de suas perfeições pudesse ser adequadamente expressa. 

O mesmo Doutor acrescenta: “Se algum homem fosse criado com um coração tão grande e espaçoso quanto os corações de todos os homens juntos, e se ele fosse habilitado por uma luz extraordinária para apreender um dos atributos divinos, sua alegria e prazer seriam tais que , a menos que apoiado por assistência especial de Deus, ele não poderia suportá-los “.

Esta, então, é a primeira e principal razão que nos obriga a amar e servir a Deus. É uma verdade tão universalmente reconhecida que mesmo os epicuristas, que se esforçavam por destruir toda a filosofia negando uma Divina Providência e a imortalidade da alma, ainda assim mantinham a religião, ou a adoração devida a Deus.

Um desses filósofos [Cícero, De Natura Deorum ] prova a existência de Deus por argumentos fortes e inegáveis. 

Ele proclama a grandeza e a soberania de Suas admiráveis ​​perfeições, que nos obrigam a reverenciá-lo e adorá-lo, e mostra que só por essa razão, independentemente de qualquer outro título, Deus tem direito a nosso amor e serviço.

Se tratarmos um rei, mesmo fora de seu próprio domínio, com respeito e honra puramente por causa da dignidade de sua pessoa, embora não lhe devamos nada, com quanto mais justiça devemos prestar honra e serviço a este Rei e Senhor, Que como nos diz São João, tem escrito “na sua roupa e na sua coxa: REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES”! [Apoc. 19: 16] Este é Aquele que “empinou com três dedos a maior parte da terra”. [É. 40: 12]

Todos os seres estão em seu poder; Ele dispõe deles como quer. É Ele quem impulsiona os corpos celestes, comanda os ventos, muda as estações, guia os elementos, distribui as águas, controla as estrelas, cria todas as coisas; é Ele, em resumo, que, como Rei e Senhor do universo, mantém e nutre todas as criaturas.

Seu reino também não é adquirido ou herdado. Por sua própria natureza, é para ele um direito inerente. 

Assim como o homem está acima, a formiga, por exemplo, também é o Divino. Substância em um grau eminente acima de todas as coisas criadas, e todo o universo não é mais do que um desses pequenos insetos comparado a ele. 

Se esta verdade fosse tão manifesta para os epicuristas, que de outra forma seria indigna do nome de filósofos, quanto mais claro não deveria ser para nós, iluminados pela luz da verdadeira filosofia cristã! 

Para este último nos ensina, de fato, que entre as inúmeras razões que nos obrigam a servir a Deus, este é o maior; e embora os homens fossem dotados de mil corações e mil corpos, essa razão por si só deveria ser suficiente para levá-los a dedicar-se todos a Seu amor e serviço.

Apesar de todos os motivos, este é o mais poderoso, ainda que tenha a menor influência sobre o imperfeito. 

A razão para isso é que, por um lado, eles são mais movidos pelo interesse próprio, pelo amor próprio que tem raiz profunda em seus corações; e, por outro, ainda ignorantes e noviços nos caminhos de Deus, são incapazes de apreciar Sua grandeza e beleza. 

Se tivessem um conhecimento melhor de Suas perfeições, Sua beleza iria enraizar suas almas e levá-las a amá-lo acima de todas as coisas. 

Portanto, nós forneceremos algumas considerações da teologia mística de St. Denis que os ajudará a apreender as perfeições do Mestre que eles servem.

Para nos levar a um conhecimento de Deus, São Denis nos ensina primeiro a desviar nossos olhos das qualidades ou perfeições das criaturas, para não sermos tentados a medir por elas as perfeições do Criador. 

Então, voltando das coisas da terra, ele levanta a nossa alma à contemplação de um ser acima de todos os seres, uma substância acima de todas as substâncias, a Light acima de todas as luzes —– sim uma luz antes que toda a luz é a escuridão – —Beleza acima de todas as belezas e diante da qual todas as outras belezas são apenas deformidades. 

Isto é o que nos é ensinado pela nuvem em que Moisés entrou para conversar com Deus, e que excluiu de seus sentidos tudo o que não era Deus. [Ex. 24: 16,18] E a ação de Elias, cobrindo seu rosto com sua capa quando viu a glória de Deus passando diante dele, é uma expressão viva do mesmo sentimento. [3 Kg. 19: 13] Portanto, para contemplar a glória de Deus, o homem deve fechar os olhos para as coisas terrenas, que não têm proporção com este Ser supremo.

Deixe um comentário