Reconheça os seus pecados

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter

INTRODUÇÃO: 

Esta passagem acima fala da postura egoísta do irmão mais velho em relação ao filho pródigo. Ao invés de se alegrar com a volta do irmão que havia abandonado a família e se entregado aos prazeres do mundo, ele prefere questionar a felicidade de seu pai.

DISCUSSÃO: 

Para confrontar os escribas e fariseus que O condenavam por atender pecadores e comer com eles, Jesus conta a parábola do filho pródigo. Assim como aquele irmão mais velho, nós cristãos, podemos cometer três erros muito graves:

1º – Ignorar a prática do perdão ensinada por Jesus.

2º – Murmurar contra Deus, como fez o povo no deserto liderado por Moisés.

3º – Permitir que a vaidade nos impeça de enxergar os nossos erros.

Jesus contou essa parábola querendo que aqueles ouvintes se identificassem com o filho mais velho, que estava “certo” aos seus olhos, mas estava totalmente errado aos olhos de Deus. Vejamos os três erros cometidos por ele:

1) Ele acusou o seu irmão (versículo 30)

Aos olhos do Senhor, o irmão mais velho errou ao julgar o irmão mais novo. Por causa da escolha do rapaz em pegar a parte da herança e ir para outro país, ele não o considerava mais como um membro da família e o condenava como uma pessoa perdida. O egoísmo tomou conta do seu coração.

O pai, porém, enxergou a situação com sabedoria (versículo 32). Esse ato reflete a misericórdia que Deus tem com os seus filhos. O que seria de Moisés, Davi e Pedro se o Senhor não fosse misericordioso? Assim como o irmão mais velho, erramos quando não sabemos distinguir um pecador perdido de um pecador arrependido. (Mateus 18:21-22).

2) Ele condenou a postura do pai (versículos 28-29)

Se não fosse suficiente ter acusado o irmão, o irmão mais velho cometeu um grande erro ao murmurar contra o pai e reclamar de um suposto tratamento desigual que ele fazia entre os dois filhos. Ele se sentia injustiçado com aquela situação, porém, o pai, fez questão de mostrar a ele que o amava da mesma forma (versículo 31).

A Bíblia conta que os hebreus reclamaram contra Deus no deserto, duvidando se Ele realmente estava presente e se Ele realmente iria cumprir as promessas que havia feito aos seus antepassados, e por causa disso, pagaram um preço muito caro e não pisaram na terra prometida. A Palavra diz que, isso que aconteceu com eles é um alerta para nós não ficarmos murmurando contra Deus (1 Coríntios 10:10-11).

3) Ele se achava justo e perfeito (versículo 29)

Vamos ler a história da parábola do jovem rico, que está registrada em Lucas 18:18-23. Perceberam a semelhança entre os dois? Assim como o rapaz rico, o irmão mais velho se julgava uma pessoa sem erros. No entanto, esse falso senso de justiça própria é muito perigoso.

O terceiro erro deste filho foi acreditar que estava certo. Ele foi soberbo e não teve humildade suficiente para reconhecer que estava errado ao pensar aquelas coisas do irmão, do pai, dele mesmo e, principalmente de Deus. (Provérbios 16:18).

CONCLUSÃO:

Como seres humanos que somos, podemos achar que o erro é sempre do outro. A culpa sempre é do nosso irmão, dos nossos pais, de Deus… De qualquer um, menos nossa! E é exatamente aí que mora o pecado. Ao nos fazermos de vítimas e não reconhecer nossos erros, nos afastamos de Deus e de Sua glória.

A Bíblia mostra que os grandes homens de Deus tiveram, acima de qualquer coisa, humildade. Vejamos alguns exemplos: Moisés: Êxodo 3:11; Gideão: Juízes 6:14-15; Jeremias 1:5; Pedro: Lucas 5; Paulo: 2 Coríntios 12:7-10. Sejamos como eles!

PARA REFLETIR:

. Você tem se recusado a liberar perdão para algum irmão?

. O pecado da murmuração faz parte da sua vida?

. Você tem duvidado da fidelidade e da justiça do Senhor?

. Você acha que os méritos de sua salvação vêm do sangue de Jesus ou de sua justiça própria?

Por pastor Antônio Júnior

MAIS LIDAS DA SEMANA

Deixe um comentário

Rolar para cima
Advertisment ad adsense adlogger